Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Cidades

DESRESPEITO AO DISTANCIAMENTO FAZ CRESCER CONTÁGIO DE CORONAVÍRUS

Infectologistas alertam para relaxamento das medidas de prevenção à Covid

Por regina carvalho | Edição do dia 07/08/2020

Matéria atualizada em 06/08/2020 às 23h01

Maceió, 08 de junho de 2020  
Movimento no comércio de Maceió. Alagoas - Brasil.
Foto: ©Ailton Cruz
Maceió, 08 de junho de 2020 Movimento no comércio de Maceió. Alagoas - Brasil. Foto: ©Ailton Cruz | © Ailton Cruz;© Ailton Cruz

As ruas estão movimentadas, parecem os dias que antecederam à data em que foi decretada a pandemia do novo coronavírus, em março. Não aparenta que vivemos uma tragédia sanitária que já matou quase 1,7 mil pessoas em Alagoas e que se aproxima de 100 mil óbitos no Brasil. A flexibilização do comércio movimentou as cidades e os cuidados para evitar a proliferação da Covid-19 acabaram esquecidos por parte dos alagoanos. “Abriu o comércio, o pessoal voltou a circular, bares abriram, academias abriram, aí já viu. Eu esperava que acontecesse isso mesmo. Tem aglomeração, fica todo mundo junto sem máscara ou com ela no queixo. Aí fica difícil. Se os casos aumentarem muito, o governo vai ter que retroceder no isolamento. Se está na fase amarela vai ter que voltar para a laranja e a vermelha. O pessoal está relaxando”, declara o infectologista Fernando Maia. “Nas estatísticas divulgados pela própria secretaria de saúde de Alagoas, há um aumento de 1,3% de casos e 0,74 % de variação do número de mortes , mostrando queda. A taxa de transmissão aumentou efetivamente em alguns municípios do estado. Porém, não diria que foi em função apenas da flexibilização das medidas econômicas. E sim porque, individual ou coletivamente as pessoas não demonstram responsabilidade consigo mesmas e com os outros”, explica a infectologista Raquel Guimarães. Após dias com queda no número de casos pelo novo coronavírus, o estado voltou a registrar um crescimento do contágio que preocupa especialistas. A redução de mortes e da taxa de ocupação de leitos exclusivos para a doença levou à falsa sensação de que havíamos controlado a doença. O receio é que ocorra o recuo da fase de distanciamento social em Maceió e nos municípios. No inicio da semana, um novo boletim divulgado pelo Observatório Alagoano de Políticas Públicas para o enfrentamento da Covid-19, referente à 31ª Semana Epidemiológica (que compreende de 26 de julho e 1º de agosto), mostrou que houve aumento na transmissão do novo coronavírus em Alagoas, o que leva a crer no descontrole da pandemia no Estado. “A economia precisa ser ativada, os empregos precisam ser recuperados, precisamos diminuir o abismo entre as classes sociais, mas grande parte da população não esta colaborando, ao não usar máscaras e não diminuir a concentração de pessoas em ambientes fechados e mesmo ao ar livre. A pandemia em Alagoas se estende há 6 meses sem que seus cidadãos cumpram seu papel”, analisa a infectologista Raquel Guimarães, que atua no Hospital Universitário. De acordo com o levantamento produzido por pesquisadores, houve crescimento de 22%, que representa a segunda maior alta no número de casos de infectados pelo vírus. De acordo com o documento, seis das 11 regiões de saúde de Alagoas apresentaram aumento no número de novos casos. Cidades do litoral Norte tiveram dados mais preocupantes, com o crescimento de infectados. Até a primeira quinzena de julho, a taxa de reprodução ou de contágio em Alagoas era a segunda menor do Nordeste e estava abaixo de 0,9, mas, ultrapassou o índice de 1,10 nos últimos dias. “A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) vem reiterando a importância de as pessoas seguirem as recomendações para proteção com o objetivo de evitar o contágio da doença Covid-19. Também está em vigor o decreto governamental que trata do distanciamento social controlado. Ao respeitar as medidas governamentais, a população contribui diretamente para que as pessoas evitem aglomerações e baixe o contágio da Covid-19”, detalha nota da Sesau. “A Sesau reforça, ainda, que o cumprimento do isolamento social tende a refletir na ocupação dos leitos exclusivos para tratamento de pessoas com a Covid-19. A Sesau mantém a abertura leitos, enviando medicamentos, contribuindo diretamente no tratamento das pessoas infectadas pela doença. Sobre uma avaliação da reabertura dos setores produtivos, o governo apresenta uma análise das semanas epidemiológicas quando o decreto de distanciamento social controlado está no período de renovação”, finaliza a assessoria da Sesau. Segundo o boletim divulgado pelo Observatório Alagoano de Políticas Públicas para o enfrentamento da Covid-19, passado um mês da implantação do modelo de distanciamento controlado pelo governo do estado, iniciado em Maceió no dia 03 de julho e expandido para as demais regiões do estado na última semana.

“Os números registrados ao final da 31ª semana epidemiológica acendem o sinal de alerta quanto a necessidade da rigorosa adoção das medidas previstas nos protocolos sanitários dedicados a cada uma das atividades que estão sendo liberadas, sob risco de recrudescimento das medidas de isolamento social caso a tendência de aumento de novos casos se mantenha o que, invariavelmente, causará um aumento de casos graves e óbitos, pressionando a demanda do sistema de saúde”, explica trecho do relatório produzido pelos pesquisadores.

Mais matérias desta edição