Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Cidades

MUNICÍPIOS APRESENTAM MOMENTOS DISTINTOS DE VACINAÇÃO CONTRA COVID

Enquanto a média estadual é de 29,61% da população com as duas doses tomadas, há cidades em que esse índice não chega a 20%

Por regina carvalho | Edição do dia 25/09/2021

Matéria atualizada em 24/09/2021 às 22h28

| Gabriel Moreira/Secom Maceió

Mais de um milhão de alagoanos estão totalmente imunizados contra a Covid-19, população vacinada e distribuída de forma distinta nos municípios. Isso é o que aponta o monitoramento do Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente (Igdema) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) Na avaliação do professor e pesquisador Esdras Andrade, do grupo de trabalho sobre a Covid-19 do Igdema da Ufal, até o dia 22, constatou-se que os municípios estão em momentos distintos na campanha de vacinação, de acordo com o Boletim de Imunização do Ministério da Saúde. “A média da população do estado que completou o ciclo vacinal é de 29,61%. No entanto, o espectro de pessoas totalmente vacinadas nos 102 municípios alagoanos varia de 12 a 46%. Em 54 municípios, as pessoas que receberam a 1ª e a 2ª dose ou a dose única do imunizante estão situados na proporção de 20 a 30%. Ainda existem 8 municípios em que menos de 20% da população já completou o rito vacinal”, explica Esdras Andrade. A reportagem pergunta ao professor e pesquisador da Ufal quais os municípios alagoanos ainda apresentam dados preocupantes sobre a pandemia de Covid-19 mesmo com a queda dos números em Alagoas. “Considerando a dinâmica diária de casos constatados, pode-se considerar que o controle da pandemia está sendo bem conduzido, todavia, quando os dados são analisados por semanas, percebe-se que houve um aumento na quantidade de municípios em que cresceram os casos registrados em relação à semana anterior”, analisa. De acordo com análise de Andrade, a quantidade de municípios em que cresceram os casos registrados em relação a semana anterior passou de 6 para 16. Essa constatação pode servir, segundo o professor, para que os gestores públicos permaneçam em vigília constante e sempre atentos a quaisquer indícios de um provável crescimento acima do esperado.

“Existe um ritmo diferente entre as regiões administrativas do Estado. Onde há uma maior circulação de pessoas, há também uma maior incidência de casos da doença. Ao observar o mapa de Casos Totais, fica nítido que os municípios que estão situados na porção leste do Estado, mais especificamente entre Maceió, Arapiraca e Penedo, é onde estão concentrados cerca de 80% de todos os casos no território alagoano”, finaliza.

De acordo com informações do painel de informações interativas sobre a Covid-19 da Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag), os municípios alagoanos com mais casos confirmados de Covid-19 são, na sequência, Maceió, Arapiraca, Marechal Deodoro, Palmeira dos Índios e Santana do Ipanema. Eles registraram, até a última quinta-feira (23), 90,4 mil; 31 mil; 6,6 mil; 5,2 mil e 4,9 mil. Já em relação aos óbitos provocados pelo novo coronavírus, os cinco são Maceió, Arapiraca, Rio Largo, Palmeira dos Índios e Delmiro Gouveia que tiveram desde o início da pandemia, respectivamente, 2,6 mil; 527; 180; 155 e 132 vítimas. O Índice de Vulnerabilidade Municipal (IVM) – ferramenta de apoio que pode contribuir para ações de monitoramento do novo coronavírus e que pode indicar a vulnerabilidade das cidades brasileiras em relação aos impactos da Covid-19 – mostra que Delmiro Gouveia, Flexeiras e Palmeira dos Índios apresentam situação mais preocupante. O IVM reúne itens como população vulnerável, economia local, estrutura do sistema de saúde, organização do sistema de saúde, capacidade fiscal da administração municipal e de resposta à crise de Covid-19. Nesses pontos, o município alagoano que teve melhor desempenho foi a Barra de São Miguel.

Mais matérias desta edição