Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Crime

OPERAÇÃO PRENDE HOMEM ACUSADO DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Ação faz parte de uma mobilização nacional para combater crimes de abuso e exploração sexual infantil

Por Jamylle Bezerra | Edição do dia 01/07/2022

Matéria atualizada em 30/06/2022 às 19h42

Policiais fazem busca em casa de homem suspeito de praticar exploração sexual infantil
Policiais fazem busca em casa de homem suspeito de praticar exploração sexual infantil | Ascom SSP/AL

Um homem de 28 anos foi preso em flagrante, nessa quinta-feira (30), em Maceió, durante a Operação ‘Luz na Infância 9’, deflagrada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) em Alagoas e mais 12 estados. A prisão ocorreu no bairro do Tabuleiro do Martins. Em Alagoas, a Polícia Civil cumpriu mandados nos municípios de Maceió e Coruripe. A ação faz parte de uma mobilização nacional para combater crimes de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes na internet e foi articulada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da Secretaria de Operações Integradas (Seopi). “Inicialmente, a operação visava à busca e apreensão, mas no local já foi constatado que ele armazenava imagens com conteúdo pornográfico infantil”, frisou a delegada Teila Rocha, da Delegacia de Crimes contra Crianças e Adolescentes (DCCCA). Segundo ela, o material pornográfico apreendido com homem preso durante a ação é bastante "vasto". O homem de 28 anos confessou que fazia, há dois anos, os downloads do material pornográfico envolvendo crianças e adolescentes. Ele negou, porém, participar de algum tipo de organização criminosa que atua nesse tipo de crime. "Apreendemos um material vasto de pornografia infantil, além de outros tipos de pornografia", destacou Teila, ressaltando que, até então, o suspeito preso em Maceió não tinha nenhuma passagem pela polícia. A delegada afirmou, durante entrevista, que todo o material recolhido, durante o cumprimento dos mandados em Maceió e em Coruripe, será encaminhado à perícia para que possam ser analisados. A Operação Luz na Infância 9 foi deflagrada com a participação da Polícia Civil de 13 estados (AL, BA, ES, GO, MA, MS, MT, PA, PB, PR, RN, RS e SP). O foco é identificar autores de crimes de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes praticados na internet. Em Alagoas, foram empregados policiais civis da Delegacia de Crimes Contra a Criança e o Adolescente (DCCCA), Operação Policial Litorânea Integrada (Oplit), Delegacia Regional de Penedo e peritos da Polícia Científica. Além do Brasil, os mandados de busca e apreensão foram cumpridos em mais seis países: Argentina, Estados Unidos, Costa Rica, Paraguai, Panamá e Equador. Houve a colaboração da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, por meio da Homeland Security Investigations (HSI). Em suas oito edições anteriores, realizadas entre 2017 e 2021, a ‘Luz na Infância’ já cumpriu mais de 1.600 mandados de busca e apreensão e prendeu cerca de 760 suspeitos de praticarem crimes cibernéticos de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes em todo o Brasil e nos países participantes da ação. A nona edição da Operação Luz na Infância mobilizou um efetivo de 800 policiais, entre brasileiros e estrangeiros. As buscas recolheram 1 terabyte (TB) de material pornográfico infanto-juvenil. Até o fechamento desta edição, foram 66 prisões em flagrante: 26 no Brasil e 40 nos demais países envolvidos. 89 mandados de busca e apreensão foram cumpridos na Argentina (68), Equador (2), Estados Unidos (5), Panamá (5), Paraguai (7) e Costa Rica (2). É a primeira vez que este último país mencionado participa de uma operação integrada com o Brasil. Houve prisões nos Estados Unidos (2), Argentina (30), Equador (2), Paraguai (5) e Costa Rica (1). coordenador do Laboratório de Operações Cibernéticas da Seopi, Alesandro Barreto, explica que a integração com outros países na deflagração de operações ocorre a partir do compartilhamento de boas práticas de investigação. “Cada país inicia a sua investigação, cada um faz sua parte, só que a atuação é integrada com o mesmo objetivo [no caso da Luz na Infância]: repressão a crimes contra crianças e adolescentes”, diz.

Mais matérias desta edição