Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Prejuízos

DÉBITOS DA BRASKEM ESTARIAM LIGADOS AO SETOR DE MINERAÇÃO

.Secretário da Fazenda de Alagoas estima perda de pelo menos R$ 80 milhões de arrecadação direta e indireta de tributos estaduais

Por arnaldo ferreira | Edição do dia 08/08/2020

Matéria atualizada em 07/08/2020 às 20h08

Os débitos dos tributos da Braskem estariam ligados à mineração e produções primárias da matéria-prima (salmoura) que era extraída nos bairros afetados. “Para a Braskem sair daqui teria que levar com ela a imensa jazida de sal-gema que tem alto teor de pureza e é de grande valor na cadeia produtiva que envolve mais de 80 de indústrias. Portanto, ela permanecerá”, prevê o sindicalista. A assessoria de imprensa da empresa prefere não comentar as questões fiscais e tributárias da empresa. Não confirma a informação que estaria planejando mudança e assegura o interesse em permanecer. Conseguiu inclusive da Agência Nacional de Mineração autorização para realizar estudos com objetivo de permanecer com a exploração de jazida de sal-gema. Para evitar especulações, prefere não falar, neste momento, dos resultados das pesquisas realizadas. Com relação à reativação das unidades industriais, revela apenas que o planejamento é para o mês de outubro com matéria-prima importada. Admite, porém, que pode demorar mais. A respeito dos compromissos tributários, adianta que a empresa, mesmo parada, mantém setores em atividades na área fabril porque não pode se paralisados, e o pagamento dos tributos está dentro dos cronogramas.

SEFAZ

Na contabilidade da Secretaria de Estado da Fazenda aparece que a paralisação operacional da Braskem há quase um ano resulta em perda de R$ 80 milhões na arrecadação tributária da cadeia produtiva. O secretário George Santoro assegura, porém, que a queda na arrecadação não compromete o ajuste fiscal e nem o pagamento em dia de salários e credores. “A referida empresa é uma das maiores arrecadadoras do Estado e ancora a cadeia de empresas do setor químico e plástico. A paralisação afeta a cadeia produtiva. Dessa forma, devemos analisar o impacto de uma maneira mais ampla”, recomenda. O secretário estima “perda de pelo menos R$ 80 milhões de arrecadação direta e indireta de tributos estaduais. Mas de forma indireta percebemos diversos impactos, como perdas de postos de trabalho - algumas empresas também reduziram suas operações.

Mais matérias desta edição