Maceió,
Nº 0
Fatos & Notícias

Confira os destaques da política alagoana #FN21092021

.

Por FATOS & NOTÍCIAS | Edição do dia 21/09/2021

Matéria atualizada em 20/09/2021 às 22h46

Mesmo com as denúncias graves feitas pelo Sindicato dos Policiais sobre as construções precárias dos Centros de Integrados de Segurança Pública, o governo insiste em beneficiar empresas sediadas fora do Estado e que custam os olhos da cara se comparar aos preços cobrados por metro quadrado em pleno coração da orla marítima de Maceió.

Os Cisps, como bem esclareceu o editorial da Gazeta de Alagoas do último final de semana, sempre tiveram problemas estruturais sérios, mas que não convenceram o governo do Estado a saná-los como exige os bons princípios de austeridade.

Agora, mais R$ 75 milhões serão torrados em novas construções praticamente de papelão, sem que as autoridades fiscalizadoras se pronunciem sobre a situação.


SEM ESTRUTURA

Sobre a fragilidade dos Cisps, fartamente denunciados pelo Sindpol, a Gazeta, para bem informar a população, fez uma radiografia da situação das construções existentes, o que revelou a precariedade das construções, como celas mal feitas e acomodações que não atendem como deveria os seus policiais.


TRAVADO

Com todas as deficiências apresentadas, o governo continua insistindo na construção desses Centros, ficando indiferente ao aprimoramento da polícia judiciária, que, sem condições técnicas e de pessoas, vê se amontarem nas gavetas milhares de inquéritos policiais até hoje sem solução.


HISTÓRICO CONSTRANGEDOR

Para se ter uma ideia do descaso com o dinheiro público, em maio do ano passado, exatamente nove meses após sua inauguração com toda a pompa e circunstância, o Cisps da unidade da cidade do Pilar teve o seu teto desabado, o que custou aos cofres do Estado mais R$ 8,8 milhões.


CRIME ADMINISTRATIVO

Mesmo com todas as evidências encontradas e com o Tribunal de Contas da União estabelecendo que “é inconstitucional e ilegal o estabelecimento de exigências que restrinjam o caráter competitivo dos certames”, o governo do Estado não dá bolas pra isso e afronta os princípios do próprio Acórdão do TCU.


HORA DO ENEM

Em parceria com a TV Escola, a Organização Arnon de Mello lança hoje um projeto arrojado que por certo beneficiará, a partir de agora, milhares de estudantes que estão se habilitando ao Enem. É uma contribuição para os alunos que tiveram seus interrompidos durante a pandemia, disse o diretor-executivo da OAM, Luís Amorim. Para o diretor Comercial, Fernando James, a iniciativa tem como principal objetivo ajudar, com conteúdo de altíssima qualidade, todos aqueles que tentam uma chance de passar no Exame Nacional do Ensino Médio.


PROJETO ARROJADO

O projeto, pioneiro em Alagoas, tem também um minissimulado online, com banco de questões do Enem, dicas, e-books e acesso aos mais de 500 episódios dos programas diários da TV Escola. O portal, já disponibilizado na Gazetaweb, será uma ferramenta de grande importância para que o aluno alcance os resultados esperados.


CASA DA MULHER

A Casa da Mulher Alagoana, que acolhe vítimas de violência doméstica no Estado, já fez 197 atendimentos de maio deste ano até agora, incluindo as buscas ativas advindas do Ministério Público. Na edição de final de semana, a Gazeta de Alagoas trouxe os números consolidados somente até agosto passado. Dessas mulheres atendidas, 57 fizeram denúncias, e as violências mais comuns são a psicológica e a física. Ainda segundo a coordenação do local, boa parte das denúncias com origem no MP é feita por vizinhos ou familiares por meio do telefone 180.


» Renan Filho assinou uma carta com alguns outros governadores desmentindo o presidente Jair Bolsonaro sobre a aplicação do ICMS nos combustíveis, mas em nenhum momento explicou por que o imposto aplicado chegou a 29% nas bombas.

» As obras de saneamento no entorno de alguns hospitais no bairro do Farol parecem não acabar mais..

» Faz mais de um ano que os habitantes da região sofrem com as consequências dos buracos, alguns como sempre mal tapados. As obras não são diferentes dos demais bairros da capital.

» A pandemia de covid-19 pode ter feito com que mais de 1 milhão de cirurgias eletivas e emergenciais tenham deixado de ser feitas no Brasil em 2020.

Mais matérias desta edição