Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Maré

NÃO EXISTE “CORPO DO VERÃO”

Os pontos essenciais para melhorar a condição física e um alerta sobre os riscos de entrar em dietas e rotinas malucas para alcançar resultados rápidos

Por MAYLSON HONORATO. EDITOR DA REVISTA MARÉ | Edição do dia 13/11/2021

Matéria atualizada em 10/11/2021 às 20h08

A estação mais quente do ano está chegando e o calçadão e as faixas de areia das praias ficam cada vez mais lotadas. Depois desse extenso período de distanciamento social em decorrência da pandemia, muita gente gente está em busca de um lugar ao sol e, de preferência, exibindo o corpão na estação mais quente do ano.

Uma coisa é certa: com ou sem pandemia, é comum, nessa época do ano, que a busca por dietas, treinos, academias e práticas que ajudem a alcançar o corpo considerado “do verão” aumente. Mas essa missão não é tão simples como muitos imaginam e é preciso cuidado para que a busca por um corpo em forma não vire uma obsessão ou outro problema de saúde.

O psicólogo Edson Ferreira diz que é preciso atenção ao modo com que olhamos para a balança e pontua que sentimentos negativos relacionados ao corpo é um fator que pode anteceder um episódio de compulsão alimentar, por exemplo. “Um critério para verificar se um determinado comportamento merece ou não atenção especial (do ponto de vista clínico) é o sofrimento que produz, tanto para o paciente, quanto para as pessoas com as quais convive”, adianta o especialista.

Edson reforça que alguns desses comportamentos, como se olhar no espelho ou medir sempre a gordura do corpo, podem ser tão frequentes ao longo do dia, tornando-se verdadeiros rituais, que podem vir a prejudicar a realização de atividades diárias, trazendo muito sofrimento ao indivíduo.

Outro alerta, antes de sair em busca do “corpo do verão”, é analisar se você realmente quer aquele corpo por você: pela saúde, pela autoestima, por gostar. Ou se esse desejo vem da necessidade de aprovação ou pelo hype da estação.


MAS DÁ TEMPO?

Pode ir tirando o cavalinho da chuva. O nutricionista esportivo Adolfo Lima adverte que não é possível conquistar um super corpo sarado em 30 dias. Hábitos saudáveis de alimentação, por exemplo, estão ancorados na constância e numa relação mais profícua com a comida. “A alimentação saudável não é sobre o verão, mas sim sobre para seu corpo e se sentir bem e feliz o ano todo”.

Ele diz que nesse projeto de ‘shape’, o maior sabotador é o indivíduo que quer conquistar grandes resultados em um pequeno espaço de tempo. “Na maioria das vezes colocando o paciente em dietas restritivas que podem acabar sendo prejudiciais à saúde física e mental”, completa. Por isso, é importante buscar auxílio de profissionais capacitados, que possam auxiliar nesse processo, como um nutricionista, médico ou educador físico.

A personal trainer Simone Moura reforça que é importante estar treinando diariamente, com um programa específico e criado por um profissional adequado, baseado nos seus objetivos e condições. Além disso, o treino precisa caminhar junto de uma alimentação balanceada, de preferência prescrita por um nutricionista.

“Essa junção vai fazer com que você obtenha sucesso e alcance seus objetivos de maneira eficaz. Pois, serão resultados alcançados de maneira prudente e segura, que perduram bem mais do que dietas e treinos sem supervisão de profissionais responsáveis com a saúde do paciente”, diz.

Simone defende que para alcançar resultados satisfatórios é necessário estar treinando regularmente, Nesse período de busca pelo corpo do verão, quem começou antes deve, agora, apenas aliar a musculação aos exercícios aeróbicos, como corrida, aulas coletivas e treinos intervalados de alta intensidade, como o hit e o hiit.

Se não é o seu caso, diz a especialista, o caminho mais eficiente é esquecer essa história de corpo do verão. “Não existe isso”. O importante é aproveitar os momentos e não se deixar levar por julgamentos. Não caia nessa história de dieta do verão, jejum intermitente de 30 dias. O que vai funcionar é a constância”, defende.

Um último conselho? Comece.

Mais matérias desta edição