Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Mercado Alagoas

Confira os destaques da economia alagoana #MA07082020

.

Por Edivaldo Junior | Edição do dia 07/08/2020

Matéria atualizada em 06/08/2020 às 22h46

Safra

A colheita de cana-de-açúcar da safra 20/21 em Alagoas é ainda neste mês. Neste ano, a primeira unidade industrial a fazer a moagem será a usina da Cooperativa Pindorama. O começo da moagem está agendado para o próximo dia 18.

Expectativa

Além da Pindorama, outras unidades já estão com os preparativos avançados para o início do novo ciclo. E a estimativa é de crescimento de produção agrícola em relação à moagem anterior. De acordo com o departamento Técnico do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool no Estado de Alagoas (Sindaçúcar-AL), deverão ser processadas aproximadamente 18 milhões de toneladas de cana na safra 20/21.

Reprogramando

A Central Açucareira Santo Antônio, formada pelas usinas Santo Antônio e Camaragibe, informou que só iniciará a moagem em setembro. “Nos últimos anos começávamos a moagem em agosto. Mas como a cana de início de safra está curta, vamos moer apenas em setembro”, explica o diretor Agrícola da central, Marcos Maranhão.

Causa

A escassez de chuvas no período de setembro do ano passado até janeiro deste ano – quando foi registrada uma precipitação pluviométrica de apenas 118 milímetros – prejudicou o desenvolvimento da cana e provocou perdas de socaria. “Só a partir de fevereiro houve uma melhora no tempo e começou a chover bem”, aponta Maranhão.

Repetindo

De acordo com o diretor da usina, a safra para a Santo Antônio – localizada no município de São Luiz do Quitunde – começa no dia 1º de setembro, enquanto para a filial Camaragibe – situada em Matiz do Camaragibe – a moagem tem início programado para o dia 08 de setembro. “Devemos repetir a moagem da safra passada, de 2,7 milhões de toneladas de cana (nas duas usinas). Mas se o verão tiver chuvas na média, poderemos ter uma safra melhor”, pondera Maranhão.

O que une

A escolha de Alfredo Gaspar de Mendonça como pré-candidato a prefeito de Maceió foi a razão para uma inesperada aliança política entre o prefeito de Maceió, Rui Palmeira (sem partido), e o governador Renan Filho (MDB). Uma aliança, ao que parece, agora “ameaçada”.

O que separa

A indicação de Tácio Melo da Silveira, presidente do Podemos e hoje um dos principais aliados de Rui Palmeira para ser vice na chapa de Gaspar, abalou a aliança. As resistências partem de influentes integrantes do grupo do governador e do prefeito.

Lenha na fogueira

O combustível para a “fritura” de Tácio Melo tem sido a reprodução de vídeos em que ele faz críticas ao governador Renan Filho e ao senador Renan Calheiros. O “fogo amigo” também tem partido – e com força – de desafetos do presidente do Podemos no grupo de Rui Palmeira.

Legado

Tácio, segundo interlocutores mais próximos a Rui Palmeira – a quem cabe a tarefa de indicar o vice –, foi escolhido não por críticas “no passado” aos Calheiros, mas pelo que representa na atual gestão. Ele passou por vários cargos (Sima, SMTT, Semtabes e Secretaria de Governo) e fala hoje a mesma linguagem do prefeito. Seria o nome a defender, na campanha e pós-campanha, o “legado” de Rui Palmeira.

Colateral

É provável que Tácio continue enfrentando nos próximos dias uma “artilharia” crescente. Se resistir, a aliança entre Rui Palmeira e Renan Filho deve ser mantida. Ao que se sabe, no momento, tanto prefeito quanto governador trabalham para manter o que foi acordado. Mas a manutenção do acordo – anote aí – passa pela aceitação da indicação do nome de Tácio.

Expoagro

Seguindo os protocolos sanitários, a Associação dos Criadores de Alagoas (ACA) confirmou a realização da 70ª Exposição Agropecuária de Produtos e Derivados de Alagoas (Expoagro). O maior evento do agronegócio do Estado ocorrerá no período de 23 de outubro a 1º de novembro, no Parque da Pecuária, em Maceió, com praticamente toda a programação mantida.

Mais matérias desta edição