Gazeta de Alagoas
Pesquise na Gazeta
Maceió,
Nº 0
Opinião

A importante missão de ser pai

.

Por MILTON HÊNIO. médico e membro do Conselho Estratégico da Organização Arnon de Mello | Edição do dia 08/08/2020

Matéria atualizada em 07/08/2020 às 22h15

A criança precisa da presença do pai para poder imitá-lo. É realmente uma missão importante a de ser pai. O mundo vai mudando e a responsabilidade do pai nos tempos modernos é bem maior do que no passado, pela influência do ambiente na vida dos filhos. A criança guarda para sempre, principalmente depois dos 3 anos, todas as cenas vividas com os pais e que terão uma influência notável em sua vida futura. Eu digo por mim. O meu saudoso pai era notável, super afetivo. Só me chamava de Miltinho, minha vida. A memória é uma das funções mais poderosas da mente humana. É também uma das mais determinantes de nossa vida. O que se passa na memória tem muito a ver com o que se passa em nós durante toda a nossa vida. Pais agressivos, alcoolizados, temperamentais, ficam gravados para sempre na memória dos filhos, tendo uma interferência impressionante no futuro deles. A memória é a única função humana que toca nosso âmago. Leva-nos de volta para o lugar de onde viemos e nos lembra também o que foi que nos afastou. Por isso, os pais amigos, dedicados, carinhosos e afetuosos como os que eu tive, jamais serão esquecidos.

As boas recordações de momentos vividos em nossa infância na companhia de nosso pai continuam vivas dentro de nós, nos lembrando como a vida foi bela no passado. Neste dia em que os pais são homenageados, que eles sejam festejados como amorosos e ternos. Sejam os filhos capazes de expressar todo o seu sentimento de amor. Que os pais e os filhos se conscientizem que o dom da vida é o bem maior a ser relembrado. E todos os pais recebam de Deus, o grande Pai, a recompensa do amor que nutrem pelos seus filhos. Há uma canção que eu gosto muito chamada UTOPIA, que muito me relembra os meus tempos de criança no Parque Gonçalves Lêdo. Diz assim: “Das muitas coisas do meu tempo de criança/guardo viva na lembrança/o aconchego do meu lar/no fim da tarde quando tudo se aquietava/a família se juntava lá no alpendre à conversar./Eu tantas vezes vi meu pai chegar cansado/mas aquilo era sagrado/um por um ele afagava/e perguntava quem fizera estripulia/a mamãe nos defendia e tudo aos poucos se ajeitava/todo mundo então queria que papai cantasse com a gente/desafinado, meio rouco e voz cansada/ele cantava mil toadas olhando tristonho o céu poente./Correu o tempo e hoje eu vejo a maravilha/de se ter uma família quando tantos não a têm./Agora falam de desquite ou de divórcio/o amor virou consórcio compromisso de ninguém/há tantos filhos que bem mais que um palácio/gostariam de um abraço e do carinho de seus pais/chame a isso de UTOPIA e eu a isso chamo de PAZ. “. Hoje, meu querido filho Cacá completa 50 anos de idade. Sempre transmiti para ele o que aprendi quando criança. Obrigado Senhor, por ele ser um mensageiro da paz. Que ao lado de sua linda família tenha sempre a felicidade como companheira, a vida inteira.

Mais matérias desta edição